Bairro de Alfama e Rio Tejo em Lisboa

sexta-feira, 13 de março de 2015

A lenda do café


Vamos ler três versões das origens do café. Não há lá grandes difereças, mas... É uma lenda, claro. Não quer dizer que na realidade acontecesse deste modo. Não faz mal, porque as lendas são bonitas. Como se fossem contos.

Os alunos do 2º ano que visitaram no passado dia 11 de fevereiro o Centro de Ciência do Café em Campo Maior e nele viram um pequeno filme de desenhos animados sobre esta lenda.


O pastor e as cabras

Reza a lenda que o café foi descoberto no século IX, nas terras altas da Etiópia. A história conta que um pastor chamado Kaldi notou que as cabras ficavam mais activas quando comiam as bagas de uma certa planta. E quando decidiu provar as tais bagas, também ele se sentiu com mais energia. O pastor levou alguns destes frutos a um monge, que começou a utilizá-los na forma de infusão ao descobrir que esta bebida o ajudava a resistir ao sono durante os períodos de oração e meditação. Esta descoberta depressa se espalhou por vários mosteiros criando uma procura pelo café

Mesmo que esta lenda não passe de um mito, há provas de que o café começou por ser cultivado em mosteiros islâmicos no Iémen.

(Fonte)

* * * * * *

Lenda da descoberta do café

Conta a lenda que há mais de 1300 anos, no território de atual Etiópia, um jovem pastor árabe Kaldi observou uma tarde como suas cabras atuavam de uma forma estranha, correndo e dando saltos como loucas, depois de comer arbustos de frutos vermelhos.

O pastor, intrigado pelo que ocorria, decidiu levar as mostras de folhas e frutos a um mosteiro chamado Cheodet, onde os monges por curiosidade puseram os grãos para cozinhar. Ao provar a bebida, acharam tão ruim que jogaram ao fogo o que sobrou.

Mas os grãos, à medida que se queimavam, despediam um agradável aroma.

Os monges tentaram então voltar a preparar uma bebida com os grãos torrados e ficaram fascinados com o resultado.

Ao tomar-se o café, as orações dos monges já não foram suaves e calmas, mas recitadas em coro com alegria.

A lenda conta que o abade do mosteiro deu o nome de Kaaba à bebida, que em árabe quer dizer pedra preciosa de cor café.

(Fonte)

* * * * * *

Lenda do café

Conta a lenda que, há muito tempo, um jovem pastor chamado Kaldi tomava conta do seu rebanho de cabras numa montanha árida e ressecada na Abissínia, hoje Etiópia, onde poucas e desfolhadas plantas conseguiam incrustar suas raízes nas rochas. Kaldi percebeu durante certas noites que alguns de seus animais desapareciam atrás da montanha por algumas horas e voltavam saltitantes. Ele ficou apreensivo. Temia que suas cabras estivessem possuídas pelo demônio. Uma noite, ele as seguiu. Viu que engoliam com muito apetite pequenos frutos vermelhos de uma planta desconhecida. Logo em seguida, as cabras e um velho bode começaram a dançar sob a luz da lua. Kaldi recolheu e experimentou alguns grãos. Sentiu em sua boca uma agradável sensação refrescante. E assim como seu rebanho, também começou a dançar. Nunca se viu na Terra um pastor tão alegre. Kaldi falou de sua experiência a um monge da região, que também decidiu experimentar aqueles frutos. Levou uma porção até o monastério e preparou uma infusão. Percebeu que a bebida o ajudava a resistir ao sono, durante suas longas orações. A descoberta se espalhou rapidamente entre outros monastérios, e a bebida se difundiu. Evidências apontam que o café foi cultivado pela primeira vez em monastérios islâmicos no Yêmen.

(Fonte)