Bairro de Alfama e Rio Tejo em Lisboa

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

O final de um filme: "Orfeu Negro"



Acho que vocês nunca vão ver este filme: Orfeu negro. Não ha problema por eu deixar aqui o final dele. Aliás, não é um filme de mistério... O amanhecer de um novo dia, dois amigos, e um deles a tocar guitarra (ou como diriam no Brasil, violão). O filme é ambientado todo no Carnaval do Rio de Janeiro.

Aproveito para dedicar esta mensagem para os alunos da turma de 1º D que tocam guitarra: a Carmen, o Javier e a Raquel; peço desculpa aos alunos de 1º A: alguém tocava guitarra? Devo voltar a perguntar.







quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Caretos de Podence



Este belo postal de Portugal com dois Caretos de Podence é dedicado aos alunos de Português da turma de 1º A. Deles falou-vos a Catarina ontem.

Podence é uma aldeia que fica no Norte de Portugal, em Trás-os-Montes e este é o sítio oficial dos Caretos de Podence.


O autor da fotografia é F. Peneiras.





A rede social do Armandinho



Alexandre Beck é o criador do Armandinho. Eu acho que este menino poderia voltar mais vezes por aqui.



rede:
7. Artefacto, de tecido ou malha resistente, suspenso pelas duas extremidades, onde se dorme ou descansa. (Dicionário Priberam)

Aprenderam uma nova palavra, não foi? Ou duas? Reparem em lotada.




quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Bloco Gigantes da Lira, no Rio


Esta fotografia foi tirada pelo fotógrafo Ratão Diniz em 2011 no Rio de Janeiro. Também são dele as seguintes palavras sobre a imagem:

"O Bloco Gigantes da Lira é destinado ao público infantil. Seu desfile é animado por uma banda de marchinhas com artistas circenses em pernas de pau, palhaços, malabaristas... O Gigantes arrastou uma multidão de foliões pelas ruas de Laranjeiras, zona sul do Rio de Janeiro."


Nota.
Bloco: grupo de carnavalescos ou foliões, participantes no Carnaval.



segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Sete fadas (José Afonso)

Ilustração de Carla Nazareth*


Um dos maiores nomes da música portuguesa de sempre é o de José Afonso, que nos canta Sete fadas me fadaram. Ele já cá tem estado mais vezes connosco.


SETE FADAS  ME FADARAM

Sete fadas me fadaram
Sete irmãos m´arrenegaram
Sete vacas me morreram
Outras sete me mataram

Sete setes desvendei
Sete laranjinhas de oiro
Sete piados de agoiro
Sete coisas que eu cá sei

Sete cabras mancas
Sete bruxas velhas
Sete salamandras
Sete cega-regas

Sete foles
Sete feridas
Sete espadas
Sete dores
Sete mortes
Sete vidas
Sete amores
Sete estrelas me ocultaram
Sete luas, sete sóis
Sete sonhos me negaram
Aqui d´el rei é demais






quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

"Eu quero. Eu posso. Eu consigo"



Esta mensagem é dedicada especialmente para o Daniel Escaso  por um lado (ele sabe porquê), e por outro para animar (quase) todos. É só querer, estão a ver? Está nas vossas mãos, porque uma boa parte do vosso futuro depende do que vocês quiserem fazer. Não querem, nada feito. Pronto. Ouviste, Lucía?





quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

"Os portuenses são muito bairristas"

Vista da cidade do Porto ao entardecer


Como vimos no livro, os portuenses são muito bairristas, palavra que deriva de bairro (cuidado, reparem onde é que está o ditongo: bairro).

O dicionário Priberam diz-nos o seguinte desta palavra (escolhemos a segunda acepção):

bairrista
(bairro + -ista) - adjetivo de dois géneros e substantivo de dois géneros

 2. Diz-se de ou pessoa muito afeiçoada ao seu bairro ou à sua terra.

Fica claro? Alguém que gosta muito da sua terra, que sente muito afeto por ela.


Nota. Havemos de ver mais fotografias do Porto no blogue. Esse rio que aí veem é, naturalmente, o rio... Digam-me lá o nome.





Ler torna a vida mais fácil


Puxar é o contrário de empurrar. Dá para perceber, não dá? Fiquem com estas palavras. O Garfield sabe ler, mas o amigo dele parece que não aprendeu.

É claro que ler bons livros, boas bandas desenhadas, etc. faz com que a nossa vida seja, não sei se mais fácil, mas, pelo menos, mais rica, divertida e completa. Sabe melhor se for por prazer, claro.




terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

A Casa da Música, no Porto



A Casa da Música é a principal sala de concertos do Porto.

Foi projetada pelo arquiteto holandês Rem Koolhaas, como parte do evento Porto Capital Europeia da Cultura em 2001 (Porto 2001), no entanto, a construção só ficou concluída em 2005, transformando-se imediatamente num ícone da cidade.

A Casa da Música possui dois auditórios principais, embora outras áreas do edifício possam ser adaptadas para concertos ou espectáculos (oficinas, actividades educacionais, etc.).

O auditório grande tem uma capacidade inicial de 1238 lugares, mas pode variar de acordo com a ocasião.

O auditório pequeno é flexível, não sendo publicitado um número fixo de lugares, embora possa ser definida uma média de 300 lugares sentados e 650 lugares de pé, dependendo do tamanho e da localização do palco, da disposição das cadeiras, da presença e do tamanho do equipamento de som e de gravação, etc..

No topo do edifício, existe um terceiro espaço para espectáculos, projetado para 250 lugares.


(Dados e fotografias da Wikipédia)


 Vista do auditório




A Casa da Música na noite da inauguração, em abril de 2005




segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Adaptar-se é preciso






(Fonte: Salvar o Planeta)



O que é uma francesinha?

Uma francesinha caseira

O que será essa Francesinha de que gosta o Hans do nosso livro? Vejam lá! Acho que quem comer uma destas, não vai ficar com fome! Evidentemente, é uma bomba calórica.


A Francesinha é um prato típico e originário da cidade do Porto, em Portugal. É constituída por linguiça, salsicha fresca, fiambre, carnes frias e bife de carne de vaca ou, em alternativa, lombo de porco assado e fatiado, coberta com queijo (posteriormente derretido). É normalmente guarnecida com um molho à base de tomate, cerveja e piri-piri. Os acompanhamentos de ovos estrelados (no topo da sanduíche) e batatas fritas são facultativos. Existem variedades de francesinhas com cogumelos, galinha, bacalhau, atum, vegetais, entre outras.

(Wikipédia)

Uma francesinha com ovo estrelado e batatas fritas 



sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Lenço dos Namorados



Vejam os dizeres deste lenço bordado por uma mulher que nasceu no Alentejo. As palavras refletem a pronúncia. Quem fez este lenço, infelizmente não pôde ir à escola o tempo preciso para escrever como seria desejável, mas aqui tanto faz. O que conta é a intenção dessa jovem, a mensagem que ela dá com o seu trabalho no lenço, não é?




Curação por curação
Amor num troques o meu
Olha que meu curação
Sempre foi lial ó teu


_________________________

Coração por coração
Amor não troques o meu
Olha que meu coração
Sempre foi leal ao teu





Amor de irmãos





(Fonte: Humor inteligente)



quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Desaparecido




Algum de vocês já viu o Sol por aí?





O malabarista (Marc Chagall)



Marc Chagall (1887 - 1985) foi um pintor, ceramista e gravurista surrealista judeu russo-francês, que já esteve aqui connosco em junho do ano passado com O aniversário.

Esta obra intitula-se O malabarista e foi pintada em 1943.




quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Mas que belas ondas na Nazaré!


O surfista britanico Andrew Cotton procurou bater o record mundial ao surfar a maior onda na Nazaré, Portugal. A onda teria 24.3 m, e o record atual está nos 23.7 m. | via The Guardian 03.02.2014 | Fotografia de Bruno Aleix/Barcroft Media.


2 de Fevereiro 2014 - Nazaré, Portugal. Onda de 24 metros.
Fotografia de Nuno Angelino





(Fonte: Casa na aldeia)






terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Mais um cavalo lusitano



Mais um cavalo lusitano. Que beleza: Há muito pouco vimos no blogue um destes cavalos portugueses. Não se lembram? Cliquem no link e vejam.




(Fonte: Casa na aldeia)





Operações aritméticas fundamentais



As operações aritméticas fundamentais são a adição e a multiplicação. A subtração e a divisão são, por esta ordem, a operação inversa da adição e a operação inversa da multiplicação.


(Infopédia)



Ah, a amizade



Como dois bons amigos, este cão e este gato vão dar uma voltinha pelo bairro... Dar-se como o cão e o gato? Não. Eles dão-se muito bem.





segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Sugestão para dias frios



Sugestão para dias frios - Fazer a massa, dar a forma e levar ao forno. Comer depois.



(Fonte: Casa na aldeia)



Três pássaros coloridos para a Marina

Saí azul 


Saíra lagarta 


Saira sete cores 


A Marina, da turma de 1º A, tem um pássaro muito colorido como animal de estimação. Como lhe disse nos Comentários, no blogue há muito passarinho colorido. A natureza no Brasil é muito rica e clicando nessa etiqueta, "Natureza brasileira", ela e quem quiser poderá ver mais pássaros. São muito lindos, não são?

A palavra lagarta quer dizer "oruga" em espanhol.


O tamanho das ótimas fotografias de Bertrando Campos serve para apreciar todas essas cores (reparem que cores é uma palavra feminina em português, não se esqueçam)



sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

O wolof é uma língua do Senegal

Dois meninos wolof a passar um bom bocado
(Fotografia de Blaine Davis)


Sabemos que a Ília do nosso livro de português é do Senegal e fala wolof. Vamos aprender um pouco sobre essa língua e o país.

A língua wolof ou uólofe é falada na África Ocidental, principalmente no Senegal, mas também em Gâmbia, Guiné-Bissau, Mali, República Dominicana, e na Mauritânia, sendo a língua nativa do grupo étnico homônimo. (Wikipédia)


 (*)


O Senegal, oficialmente República do Senegal, é um país da África Ocidental, limitado a norte pela Mauritânia, a leste pelo Mali, a sul pela Guiné e pela Guiné-Bissau e a oeste pelo Oceano Atlântico e pela Gâmbia. É o mais próximo vizinho de Cabo Verde, arquipélago que se espalha pelo Atlântico a ocidente do cabo Verde. Sua capital é Dakar. Possui uma particularidade que é a de abrigar dentro do seu território a República de Gâmbia como se fosse uma ilha dentro do Senegal. (Wikipédia)




Fotografia de Janga Wolof



quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Maravilha, maravilha (Grupo CantaVento)



Há tempo que não tínhamos música por estas bandas. Hoje vamos ouvir uma canção do grande cantor e compositor português José Afonso, interpretada pelo grupo brasileiro CantaVento.

Ai, que alegria, reparem como é bonita a música., fica logo no ouvido! Podem cantar vocês lá em casa.


MARAVILHA, MARAVILHA

Maravilha Maravilha
Venham ver o barco doido
Sem amarras que o segurem
Pela porta entra a maré
Venham ver a barco doido
Água cai pela chaminé

Maravilha Maravilha
Já vejo os móveis dançar
Entra a água pela porta
O telhado vai tombar
Quando o mar se enfurece
Andamos em rodopio
Sobre caminhos de prata
Correm lágrimas a fio


Grupo CantaVento

Carol Ladeira - Voz
Aline Moraes - Flauta transversal e coro
Marcelo Falleiros - Violão e coro
João Arruda - Charago e coro
Raul Rodrigues - Bombo, pratos, clave, tambor falante e coro
Mayra Carvalho Ribeiro - Voz

Aqui, ao vivo:









quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Qual é o teu animal de estimação?

Este cão e este gato dão-se muito bem

Recuperamos esta mensagem já publicada para que vocês façam como os vossos colegas em março de 2011.

Um animal de estimação é um animal que foi domesticado para convívio com os seres humanos por questões de companheirismo ou divertimento. Dois dos mais populares são o cão e o gato.  Mas temos os peixes, hamsters... Qual é a palavra espanhola para animal de estimação?

Digam-me quais são os vossos animais de estimação e os nomes deles e publicamos aqui no blogue; ou podem dizer nos comentários.

Nota. Reparem como se diz em português "llevarse bien": dar-se bem.


E estes também!


Algum dos alunos tem peixes num aquário?


Uma tartaruga com duas cabeças!



Como se escreve o meu nome em japonês?



Agradecemos ao blog Fala Bonito o conteúdo desta mensagem. Alguém quer saber como é que se escreve o seu nome em japonês? Esta língua é falada quase que exclusivamente no Japão. Estima-se que o número de falantes seja em torno de 127 milhões de pessoas. O japonês é uma língua muito complexa que usa cinco sistemas de escrita diferentes: rōmaji, hiragana, katakana, kanji e os algarismos indo-arábicos, quer dizer, os números.

Se clicam aqui, vão para uma página onde podem escrever o seu nome (uma palavra só e sem acentos!) na caixinha, e depois, pronto, lá está o vosso nome em caracteres japoneses.




terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

"Bom dia, boa tarde, boa noite" em japonês


Vejam lá! Eu soube hoje de manhã por acaso que a Susana, aluna da turma de 1º D, gosta de japonês. Eu perguntei-lhe como é que se diziam em japonês duas palavras  que eu conheço: Bom dia e obrigado, e ela respondeu ohayo e arigatô. Muito bem, Susana!

Aliás, ela aprendeu uma coisa nova. Quem foram os primeiros ocidentais a chegarem ao Japão no século século XVI? Os Portugueses!


1 – Ohayou Gozaimasu (おはよう ございます) = Bom dia
2 – Konnichiwa (こんにちは) = Boa tarde
3 – Konbanwa (こんばんは) = Boa noite


 De Aprendendo Japonês



Jogadores de xadrez, precisam-se!


Esta mensagem é para aqueles alunos que jogam xadrez. O meu colega Tchema, professor de Língua Castelhana, anda à procura de alunos para um torneio de xadrez.

Alunos do 1º e do 2º anos: Inscrevam-se! Força!


Um pouco de vocabulário deste jogo em português:

Se queremos jogar xadrez, precisamos de um tabuleiro e de umas peças pretas e brancas chamadas assim:

Rei, Dama ou Rainha, Bispos, Cavalos, Torres Peões.


Para quem quiser saber mais, o artigo da Wikipédia sobre o xadrez.








O rei é a peça mais importante. Podem aprender as palavras com que um jogo de xadrez termina: xeque mate.







"Educação vem de casa"




segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014