Bairro de Alfama e Rio Tejo em Lisboa

terça-feira, 23 de abril de 2013

Versos para o Dia do Livro



Uns versos do poeta portugues Eugénio de Andrade para este Dia do Livro.


OS LIVROS

A sua cálida,
terna, serena pele. Amorosa
companhia. Dispostos sempre
a partilhar o sol
das águas. Tão dóceis,
tão calados, tão leais.
Tão luminosos na sua
branca e vegetal e cerrada
melancolia. Amados
como nenhuns outros companheiros
da alma. Tão musicais
no fluvial e transbordante
ardor de cada dia.