Bairro de Alfama e Rio Tejo em Lisboa

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Visita ao Centro de Ciência do Café em Campo Maior (1)

Os alunos com a professora Ara pouco antes de entrar no Centro

Na passada terça-feira, dia 15, um grupo de 34 alunos das turmas do 3º ano fizeram uma visita ao Centro de Ciência do Café, da Delta Cafés, na vizinha povoação de Campo Maior. Já conhecemos no ano pasado as novas instalações deste novo centro que substituiu o antigo Museu do Café. Espetacular.

Desta vez, como o grupo era mais pequeno, não foi preciso dividir o grupo em dois. Há muita coisa para ver e aprender, embora pouco tempo para isso. Aliás, os alunos estão com amigos e colegas, fora da Escola, e há uma certa euforia neles que os impede de reparar nalgumas coisas. É natural. Mas de certeza que gostaram da experiência e ficaram a saber mais um pouco sobre o café e o que há em volta dele: ficam a saber das origens, das principais espécies (a arábica e a robusta); aprendem que o fruto do cafeeiro, a “cereja” como é conhecida, agrupa duas sementes, e que quando só oferece uma, esta variedade é chamada moka.

A funcionária que nos acompanhou fornecia explicações do que estábamos a ver ao longo do percurso por este Centro que foi distinguido com o Prémio Museu Português 2015, atribuído pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) em junho deste ano ("Centro de Ciência do Café é o Museu Português do Ano 2015"). Museu para ver, tocar e cheirar…


A cultura do café no mundo



Diferentes plantas de café com o grau de temperatura e humidade precisos para viver é primeiro que os alunos podem ver


Quais são os insetos que vivem em volta do café? Há montes deles


Uma aluna a observar alguns com uma ótima lupa com luz





Um breve filme de desenhos animados que nos conta a lenda da descoberta do café. Se clicarmos no link "A lenda do café", podemos ler essa lenda em várias versões



As origens, na Etiópia (cuidado com a pronúncia!)



Uma aluna ao leme de um navio que carrega café. Era um jogo instrutivo. Guiavam o barco aos fiferentes portos e quando lá chegavam, aparecia no ecrã uma pergunta com três respostas que deviam responder


Mais pilotos ao leme.


Cá os alunos podiam tirar uma fotografia deles e escolher como fundo entre vários famosos cafés de Portugal. Depois enviavam por mail para o endereço eletrónico deles ou dos amigos.


Estamos na Raia, meus senhores! Uma maneira de ganhar a vida no século passado foi o contrabando do café de Portugal para o nosso país. Há tantas histórias para contar e os alunos podiam ouvir os testemunhos de pessoas que na sua juventude foram contrabandistas. Era uma maneira de ganhar o pão em tempos muito difíceis...


Uma das muitas citações sobre o café que se podem ler nos muros do Centro. Neste caso, do poeta inglês do século XVII, John Milton.


(Para não sobrecarregar esta, continuamos noutra mensagem com mais fotografias)