Bairro de Alfama e Rio Tejo em Lisboa

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Dois poemas de Eugénio de Andrade

Fonte entre a Portagem e Marvão, muito perto da fronteira espanhola

O poeta português Eugénio de Andrade já esteve aqui com um poema intitulado Frutos (podem clicar no linque).

A avó materna dele nasceu em Espanha: em Valverde del Fresno, povoação da província de Cáceres. Será que Canção infantil foi escrita a pensar em Valverde? Não sabemos, mas tanto faz. Podem ver em baixo uma fotografia da aldeia com as montanhas da Serra de Gata por trás.




A UMA FONTE

Fonte pura, fonte fria...
(Onde vais, minha canção?)
Fonte pura..., assim queria
que fosse meu coração:
fluir na noite e no dia
sem se desprender do chão.


CANÇÃO INFANTIL

Era um amieiro.
Depois uma azenha.
E junto
um ribeiro.

Tudo tão parado.
Que devia fazer?
Meti tudo no bolso
para os não perder.



Nota. O amieiro é uma árvore que nós chamamos aliso em espanhol. A azenha é um moinho de roda movido por água (em espanhol, aceña) e o ribeiro é um arroyo.



Valverde del Fresno, na Sierra de Gata