Bairro de Alfama e Rio Tejo em Lisboa

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Uma receita de pastéis de Belém

Fotografia de Charclam

Reparem no prato da fotografia. Lê-se "Pastéis de Belém. Desde 1837". Com efeito, é em Belém, perto de Lisboa, onde fica o melhor lugar do mundo para saborear estes deliciosos bolos portugueses, que vão saindo quentinhos dos fornos, e a que é muito difícil resistir. Também são conhecidos como pastéis de nata.

Se ainda não experimentaram, podem tentar pedir às mães ou às avós para seguirem esta receita e desfrutar a família toda lá em casa. 

Não se esqueçam deste vocabulário:
banha = manteca; barrar = untar; forma, forminha = molde,

Para a massa:
Farinha, 250g
Manteiga, 125g
Banha, 75g
Sal, 1 colher de café


Peneira-se a farinha com o sal para um tigelão e amassa-se com água fria, apenas a necessária para formar uma bola ligada, que se deixa descansar 10 minutos. Bate-se a manteiga juntamente com a banha com uma espátula de madeira e mete-se no frigorífico também durante 10 minutos. Estende-se a massa sobre a pedra da mesa com o rolo de madeira , formando um quadrado, que se barra com metade da mistura manteiga-banha. Dobra-se ao meio, põe-se sobre uma tábua e mete-se no frigorífico durante outros 10 minutos. Torna-se a estender, barra-se com o resto das gorduras e enrola-se, formando um rolo como um salame. Corta-se em 24 pedaços iguais e mete-se cada um dentro duma forminha pequena. Deixam-se descansar ainda 10 minutos no frigorífico. Moldam-se então dentro das formas os pedaços da massa, puxando-a para fora com os dedos molhados em água fria, para forrar as formas do fundo e dos lados, formando assim as caixas dos pastéis. Deve comprimir-se a massa com os polegares de baixo para os lados, de modo a deixá-la francamente mais fina no fundo.

Para o recheio:
Nata, ½ l
Gemas, 8
Açúcar, 150g
Farinha, 10g

Desfaz-se a farinha na nata aos poucos para não formar grumos e bate-se com as gemas e o açúcar. Leva-se ao lume, mexendo sempre, até quase levantar fervura. Vaza-se nas forminhas forradas com a massa, só até ¾ e tendo o cuidado de não sujar as beiras da massa com o creme. Cozem-se em forno muito quente e, querendo, antes de servir polvilham-se com açúcar em pó e canela.

Vão gostar!

Passeio à frente da famosíssima Fábrica dos Pasteís de Belém, em Belém, é claro
(Fotografia de John Montague)