Bairro de Alfama e Rio Tejo em Lisboa

quarta-feira, 25 de abril de 2012

O que foi o 25 de Abril?


Retirado do blogue O Clube dos 3D, e escrito pela professora Mafalda Cardoso, tomamos emprestado o seguinte para que vocês compreendam o que foi o 25 de abril em Portugal. Foi escrito para meninos mais pequenos do que vocês.

Considera-se, em termos gerais, que esta revolução trouxe a liberdade ao povo português (denominando-se "Dia da Liberdade" o feriado instituído em Portugal para comemorar a revolução). O dia 25 de Abril é feriado porque se comemora a Liberdade. Portugal passou a ser uma Democracia em vez de uma Ditadura.




Houve uma altura em Portugal, que as pessoas que cá viviam não eram livres. Não eram livres de falar, de discordar, não eram livres de dar a sua opinião. Tinha de se ter muito cuidado com o que se dizia e com o que se escrevia. Se não o fizessem iam presos.

Mas vários grupos de homens e mulheres de grande coragem começaram a revoltar-se e apesar de muitos terem ido presos, muitos continuaram a reunir-se em segredo e um dia conseguiram reunir forças para libertar o país desse governo a que chamava Ditadura porque os homens só podiam fazer o que lhes era ditado. Nesse dia muita gente festejou com os soldados que libertaram o país. Os homens que lideraram a revolução ficaram conhecidos como os capitães de Abril. E mais importante ainda, a nossa liberade foi conquistada sem se derramar sangue. Sem ter havido uma morte sequer. Uma florista que ia a passar levava cravos na mão e começou a oferecê-los aos soldados. Assim o 25 de Abril é festejado como o dia da liberdade em Portugal e os cravos são o seu símbolo.



A canção "Grândola, Vila Morena", de José Afonso, ouvida na rádio aquela madrugada do dia 25 de abril, confirmou que a revolução seguia para a frente. É uma canção mítica para os portugueses.


GRÂNDOLA, VILA MORENA

Grândola, vila morena
Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade

Dentro de ti, ó cidade
O povo é quem mais ordena
Terra da fraternidade
Grândola, vila morena

Em cada esquina um amigo
Em cada rosto igualdade
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade

Terra da fraternidade
Grândola, vila morena
Em cada rosto igualdade
O povo é quem mais ordena

À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade
Jurei ter por companheira
Grândola a tua vontade

Grândola a tua vontade
Jurei ter por companheira
À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade







4 comentários:

Anónimo disse...

Eu adoro essa tradição
Nuria 2 º D

Vera Almeida disse...

Obrigado por este post, obrigado por nao deixares morrer neste mundo um símbolo tao importante para nos portugueses... Viva o 25 de Abril, viva a revolução dos cravos... Ontem,hoje e amanhã

Susana Ribeiro disse...

Gostei

Pedro L. Cuadrado disse...

Olá, Vera e Susana. 25 de Abril sempre!, é claro.

Vera, repare que esta mensagem é do 25 de abril de 2012. Todos os anos recordamos esta data no blogue. Não podia ser de outra maneira.