Bairro de Alfama e Rio Tejo em Lisboa

domingo, 1 de maio de 2016

Quanto é doce (José Afonso)




QUANTO É DOCE

Quanto é doce quanto é bom
No mundo encontrar alguém
Que nos junte contra o peito
E a quem nós chamemos mãe

Vai-se a tristeza o desgosto
Põe-se a um ponto na tormenta
Quando a mãe nos dá um beijo
Quando a mãe nos acalenta

E embora seja ladrão
Aquele que tenha mãe
Lá tem no meio da luta
Ternos afagos de alguém

José Afonso