Bairro de Alfama e Rio Tejo em Lisboa

sexta-feira, 27 de março de 2015

Até à volta!



Despeço-me de todos vocês até ao dia 7 de abril, primeiro dia de aulas do último período. Aproveitem as férias e, já sabem, não se esqueçam de ler.

Música para a despedida: o cantor portuense Sérgio Godinho canta O galo é o dono dos ovos, acompanhado por outro cantor portuense, que vocês conhecem do livro: Rui Veloso.


O GALO É O DONO DOS OVOS

O galo é o dono da casa
a galinha, da cozinha
ou se porta direitinha
ou apanha com a asa
que o galo é o dono da casa

O galo canta de galo
a galinha, cacareja
e o pintainho deseja
o fim de tanto badalo
e o galo canta de galo

O galo come faisão
a galinha é quem o assa
e o pobre do pinto passa
passa uma fome de cão
e o galo come faisão

O galo é o dono dos ovos
a galinha é quem os bota
e o pinto é compatriota
da miséria de outros povos
que o galo é o dono dos ovos

Por mais que cante de galo
o galo está a dar o berro
é que nem com mão de ferro
faz do pinto seu vassalo
por mais que cante de galo

Anda amarelado o galo
como a gema que o pariu
o sol nunca lhe sorriu
quanto ao pinto, é um regalo
não há sol que não o tisne
o galo canta de galo
para o pinto é o canto do cisne






E aquí uma das outras duas canções de Sérgio Godinho que temos no blogue: "Canção dos abraços".





Vamos ser engolidos!









(© 2015 - Florian de Looij)



quinta-feira, 26 de março de 2015

O caldo de pedra: conto tradicional português



O texto deste conto tradicional português (O caldo da pedra ou A sopa da pedra) já foi publicado aquí. Vamos ler em primeiro lugra o conto, não acham?, e depois vemos a versão em desenhos animados.


Topefilme Produções. Primeiro dos Contos Tradicionais Portugueses desta série.
Realização de Artur Costa Correia. Caldo de Pedra.



Duas obras de Amedeo Modigliani



Um retrato pintado pelo artista italiano Amedeo Modigliani (1884-1920): Madame Georges van Muyden (1917), exposto no Museu de Artes de São Paulo.

Em baixo, uma escultura dele .



Cariátide





quarta-feira, 25 de março de 2015

Uma menina de 1931



Uma menina de 1931... É uma fotografia de um fotógrafo neozelandês, Harold Cazneaux, que se intitula Padrões de uma pérgula.



Caramanchão florido (Palavras daqui e dali)


"Uma pérgula ou pérgola é uma espécie de galeria, para passear, construída em forma de ramada. Passeio ou abrigo, em jardins, feito de duas séries de colunas paralelas e que serve de suporte a trepadeiras.

As pérgulas são amplamente usadas em parques, bosques, praças e ruas."

(Wikipédia)


A palavra mais portuguesa é caramanchão ("construção ligeira de ripas, ferro ou pedra revestida de plantas trepadeiras, formando cobertura; camaranchão", diz-nos a Infopédia)



A rã e o escorpião



Alguém conhece esta fábula que o grego Esopo escreveu há muito muito tempo? Reparem que ele viveu entre o século VII e o VI a.C!


A RÃ E O ESCORPIÃO

Uma rã estava na beira do rio quando um escorpião lhe pediu que o deixasse ir nas suas costas para a outra margem do rio. A rã nega.

- És doido! - diz-lhe - ferras-me o teu veneno e matas-me.

Ao que o escorpião lhe responde que isso não faz sentido. Se a rã for ao fundo, ele escorpião, também vai. Que sentido faz morrerem os dois?

A rã pensa um pouco e acaba por aceder.

- Anda lá - diz-lhe.

A meio da travessia do rio, o escorpião ferra o veneno na rã, que começa a desfalecer. Na agonia, diz-lhe:

- Que foste fazer? Não vês que assim morremos os dois? Tu próprio disseste que isso não fazia sentido!

- O que queres? - responde-lhe o escorpião - é esta a minha condição!





segunda-feira, 23 de março de 2015

Uma palavra a pingar



Esta palavra está pendurada no estendal para secar.






A sopa de letras (Manuel António Pina)



Mais um poema não faz mal nenhum, pois não? Para os mais pequenos da casa...


A SOPA DE LETRAS

Era uma vez um menino
que não queria sopa de letras.
Podiam lá estar coisas bonitas escritas,
mas para ele era tudo tretas…
Podia lá estar escrito COMER,
Podia lá estar GOIABADA,
Como ele não sabia ler
a sopa não lhe sabia a nada.
Tinha no prato uma FLOR,
um NAVIO na colher,
comia coisas lindíssimas sem saber,
mas ele queria lá saber!
Até que um amigo com todas as letras
lhe ensinou a soletrar a sopa.
E ele passou a ler a sopa toda,
o peixe, a carne, a sobremesa, etc.

Manuel António Pina



Um suiriri-cavaleiro e...?



Alguém é capaz de me dizer o nome do animalzinho em que está pousado o pássaro chamado suiriri-cavaleiro. De certeza que não fazem ideia. Vou dar uma pista muito boa: "É o maior roedor do mundo, pesando até 91 kg e medindo até 1,2 m de comprimento e 60 cm na altura da cernelha".

Podem responder nos Comentários. E não se esqueçam de se identificar.


Outros nomes que recebe este pásaro são: "bem-te-vi-do-gado, bem-te-vi-carrapateiro, suiriri-do-campo, bem-te-vi-cabeça-de-estaca, bem-te-vi-de-coroa, bem-te-vi-coroa, cavaleiro e suiriri". O nome científico dele é Machetornis rixosa (Vieil.)





(Fotografias de Rosa Gambóias)



sábado, 21 de março de 2015

Dia Mundial da Poesia

Fotograia de Zé Pinho


Hoje, primeiro dia da primavera (começou exatamente há três quartos de hora, às 23:45, hora espanhola), celebra-se o Dia Mundial da Poesia. E nós assinalamos esta data com um poema do escritor português Almeida Garrett (1799 - 1854). Lemos na sala de aula na próxima semana.



BARCA BELA

Pescador da barca bela,
Onde vais pescar com ela,
Que é tão bela,
Ó pescador?

Não vês que a última estrela
No céu nublado se vela?
Colhe a vela,
Oh pescador!

Deita o laço com cautela,
Que a sereia canta bela...
Mas cautela,
Oh pescador!

Não se enrede a rede nela,
Que perdido é remo e vela
Só de vê-la,
Oh pescador,

Pescador da barca bela,
Inda é tempo, foge dela,
Foge dela.

Almeida Garrett





sexta-feira, 20 de março de 2015

Feliz primavera!






(Fonte: Santa Nostalgia)



Meu divino São José (Maria Bethânia)



Apenas dura 49 segundos esta canção de Maria Bethânia, uma cantora brasileira.


Meu divino São José
Aqui estou a vossos pés
Dai-nos chuva com abundância
Meu divino São José



Hoje começa a primavera...



Hoje, dia 20 de março, começa a primavera, mas só no fim do dia (podem ler em baixo; no nosso país, mais uma hora, claro: às 23:45). Afinal, o primeiro dia mesmo é 21, não é? E nesse dia 21 celebra-se o Dia Mundial da Poesia. Amanhã, temos poema.


Início da primavera

O início da primavera em 2015 ocorre a 20 de março, às 22h45. Esta é hora do equinócio da primavera, ou seja, o instante exato em que começa a primavera.


Equinócio da primavera

Entende-se por equinócio da primavera o momento em que o sol cruza o plano do equador celeste (a linha do equador terrestre que é projetada na esfera celeste). Quando este acontecimento decorre em março, ele recebe o nome de equinócio da primavera no hemisfério norte. Já no hemisfério sul o equinócio da primavera tem lugar em setembro.







(Fotografia:  Zé Pinho)


Choro núm. 1 de Heitor Villa-Lobos



Heitor Villa-Lobos (Rio de Janeiro, 5 de março de 1887 – Rio de Janeiro, 17 de novembro de 1959) foi um maestro e compositor brasileiro.

Destaca-se por ter sido o principal responsável pela descoberta de uma linguagem peculiarmente brasileira em música, sendo considerado o maior expoente da música do modernismo no Brasil, compondo obras que contém nuances das culturas regionais brasileiras, com os elementos das canções populares e indígenas. No Brasil, sua data de nascimento é celebrada como Dia Nacional da Música Clássica












Um botão na sua casa?



Um botão na sua casa... Estão a ver? Esse buraquinho onde vai o botão nós vemo-lo como parecido com um olho e para os portugueses é onde "mora" o botão.





quinta-feira, 19 de março de 2015

EspaNHa, espanNHol, espaNHola!

Letreiro com o nome do nosso país na vizinha povoação de Campo Maior

Porque ainda há alunos que escrevem o nome do nosso país, Espanha, ou a nacionalidade (espanhol, espanhola) com a nossa letra ñ. O português, ficou bem claro, tem o som representado por essa letra, mas é representado por duas: nh, quer dizer, ene agá.


Espanha

espanhol

espanhola


Ver no blogue: "Mais uma vez: nh tem o som de ñ""A letra ñ não existe em português"







Está boa a alface?




Um coelhinho a comer uma fresca folha de alface. Vê-se que está com muito apetite!






D.A.D. - A viagem (Alexandre Esgaio)



 Alexandre Esgaio é um ilustrador português, que esteve aqui pela primeira vez com dois desenhos no mês de outubro de 2013. Acho que ele vai voltar mais vezes ao blogue com esta série de D.A.D.



quarta-feira, 18 de março de 2015

Não são lindos estes dois amigos?



"Improvável mas linda amizade na Herdade do Sardanito da Frente, na Zambujeira do Mar. Alentejo"


(Fotografia: © João Paulo Cruz - Eu sou fã do nosso Alentejo)


Mais duas janelas

Janela de Messejana, no Alentejo.




Pormenor de uma janela no Palácio da Pena, em Sintra.





(Fontre: Casa na Aldeia)



Lá vai o comboio!




Uma carruagem, mais uma, e mais uma... Mas quantas carruagens tem este comboio? Quanto tempo é que vão demorar a passar? Será que os viajantes poderão descer algum dia do comboio ou terão de ficar a viver nele?

Tantas perguntas!




terça-feira, 17 de março de 2015

O Mosteiro dos Jerónimos



Vejam que beleza!


Perto do local onde o Infante D. Henrique, em meados do séc. XV, mandou edificar uma igreja sobre a invocação de Sta. Maria de Belém, quis o rei D. Manuel I construir um grande Mosteiro. Para perpetuar a memória do Infante, pela sua grande devoção a Nossa Senhora e crença em S. Jerónimo, D. Manuel I decidiu fundar em 1496, o Mosteiro de Sta. Maria de Belém, perto da cidade de Lisboa, junto ao rio Tejo. Doado aos monges da Ordem de S. Jerónimo, é hoje vulgarmente conhecido por Mosteiro dos Jerónimos. (...)

O Mosteiro dos Jerónimos foi declarado Monumento Nacional em 1907 e, em 1983, a UNESCO classificou-o como "Património Cultural de toda a Humanidade".

(Fonte)


Podem ver aqui mais fotografias deste templo. Valem a pena.


(Fotografia de David Stephenson)

Gostam mais de cabelo azul ou verde?



Já vimos uma rapariga que pintou o cabelo de verde. Bom, cá temos mais uma, mas esta pintou de azul. De qual é que gostam mais?






segunda-feira, 16 de março de 2015

UM nariz muito compridOOO!



Esta personagem é o Rei do Gelo, e, como podem ver, tem um nariz muito, muito compridO. Ao lado dele, vemos dois pinguins.


É assim, já dissemos que esta palavra é do género masculino em português. Não se esqueçam!





(Autor: Chasestone)

O Minho é um rio!!!

Estuário do Rio Minho, na fronteira entre Portugal e Espanha

 Voltamos a publicar esta mensagem, dedicada para os "amigos de O minho pai" e por aí fora...



Pois é, o Minho é um rio, não é um possessivo. Julgava que toda a gente sabia, mas... ainda há alunos que se esquecem disto e dizem "Os minhos amigos", "O minho pai.". O possessivo feminino da primeira pessoa, esse sim, é minha, mas o masculino é meu, meu, meu.

Vamos esquecer esse "minho", e pôr aí bem fixado dentro da cabeça o seguinte:

O meu pai chama-se...

Os meus amigos estão em Lisboa



Foz do Rio Minho: Espanhá cá, Portugal lá, e no meio, o Minho
(Fotografia de Moacir de Sá Pereira)


Rios portugueses



sexta-feira, 13 de março de 2015

Quem é capaz de fazer isto?







Que cor é esta?



O "nome" desta cor é:  #9f0a00







Tinta verde (Vitorino)




TINTA VERDE

Tinta verde dos teus olhos
Escreve torto no meu peito,
Amores tenho eu aos molhos
Se pró teu me faltar jeito.

No meu peito escreve torto,
Na minha alma a dar a dar,
Nunca mais eu chego ao Porto
Se lá fôr por este andar.

Nunca mais eu chego ao Porto,
Ao porto de Matosinhos,
Adeus verde dos teus olhos,
Estão cá outros mais escurinhos.

Vitorino




Ana, cuidado com "estudar um rato"!!!


Esta menina estudou "tantos ratos" que afinal, coitadinha, acabou com orelhas de rato...

A Ana, da turma de 2º D, quando contava num teste o que é que ela faz habitualmente desde que se levanta até que se deita, escreveu isto: "estudo um rato"

O que é que a Ana deveria ter escrito? "Estudo um pouco", ou "Estudo um bocado". Cuidadinho com os ratos...


Um rato, ou ratinho branco, tão fofo, não acham?



Ratos sem fios para o computador




Mais vocabulário de roupa








Vocabulário: roupa





A lenda do café


Vamos ler três versões das origens do café. Não há lá grandes difereças, mas... É uma lenda, claro. Não quer dizer que na realidade acontecesse deste modo. Não faz mal, porque as lendas são bonitas. Como se fossem contos.

Os alunos do 2º ano que visitaram no passado dia 11 de fevereiro o Centro de Ciência do Café em Campo Maior e nele viram um pequeno filme de desenhos animados sobre esta lenda.


O pastor e as cabras

Reza a lenda que o café foi descoberto no século IX, nas terras altas da Etiópia. A história conta que um pastor chamado Kaldi notou que as cabras ficavam mais activas quando comiam as bagas de uma certa planta. E quando decidiu provar as tais bagas, também ele se sentiu com mais energia. O pastor levou alguns destes frutos a um monge, que começou a utilizá-los na forma de infusão ao descobrir que esta bebida o ajudava a resistir ao sono durante os períodos de oração e meditação. Esta descoberta depressa se espalhou por vários mosteiros criando uma procura pelo café

Mesmo que esta lenda não passe de um mito, há provas de que o café começou por ser cultivado em mosteiros islâmicos no Iémen.

(Fonte)

* * * * * *

Lenda da descoberta do café

Conta a lenda que há mais de 1300 anos, no território de atual Etiópia, um jovem pastor árabe Kaldi observou uma tarde como suas cabras atuavam de uma forma estranha, correndo e dando saltos como loucas, depois de comer arbustos de frutos vermelhos.

O pastor, intrigado pelo que ocorria, decidiu levar as mostras de folhas e frutos a um mosteiro chamado Cheodet, onde os monges por curiosidade puseram os grãos para cozinhar. Ao provar a bebida, acharam tão ruim que jogaram ao fogo o que sobrou.

Mas os grãos, à medida que se queimavam, despediam um agradável aroma.

Os monges tentaram então voltar a preparar uma bebida com os grãos torrados e ficaram fascinados com o resultado.

Ao tomar-se o café, as orações dos monges já não foram suaves e calmas, mas recitadas em coro com alegria.

A lenda conta que o abade do mosteiro deu o nome de Kaaba à bebida, que em árabe quer dizer pedra preciosa de cor café.

(Fonte)

* * * * * *

Lenda do café

Conta a lenda que, há muito tempo, um jovem pastor chamado Kaldi tomava conta do seu rebanho de cabras numa montanha árida e ressecada na Abissínia, hoje Etiópia, onde poucas e desfolhadas plantas conseguiam incrustar suas raízes nas rochas. Kaldi percebeu durante certas noites que alguns de seus animais desapareciam atrás da montanha por algumas horas e voltavam saltitantes. Ele ficou apreensivo. Temia que suas cabras estivessem possuídas pelo demônio. Uma noite, ele as seguiu. Viu que engoliam com muito apetite pequenos frutos vermelhos de uma planta desconhecida. Logo em seguida, as cabras e um velho bode começaram a dançar sob a luz da lua. Kaldi recolheu e experimentou alguns grãos. Sentiu em sua boca uma agradável sensação refrescante. E assim como seu rebanho, também começou a dançar. Nunca se viu na Terra um pastor tão alegre. Kaldi falou de sua experiência a um monge da região, que também decidiu experimentar aqueles frutos. Levou uma porção até o monastério e preparou uma infusão. Percebeu que a bebida o ajudava a resistir ao sono, durante suas longas orações. A descoberta se espalhou rapidamente entre outros monastérios, e a bebida se difundiu. Evidências apontam que o café foi cultivado pela primeira vez em monastérios islâmicos no Yêmen.

(Fonte)


quinta-feira, 12 de março de 2015

Vamos descrever alguém



Revemos vocabulário? Uma ajuda do Instituto Camões para descrever pessoas. Façam favor de clicar:  Descrição física e psicológica.






Esta menina adora ler






"Não gosto de gente nublada e fria..."




Pois é, pode haver gente "nublada e fria" como o mau tempo. É melhor conhecer essas pessoas "de alma ensolarada e quentinha", não é verdade?

Mas reparem numa coisa. A primeira impressão que nos faz alguém que conhecemos pode ser má, mas depois, aos poucos, conhecendo melhor essa pessoa, gostamos dela, é muito diferente de como nós tínhamos pensado... 

Não se esqueçam ("No os olvidéis")



segunda-feira, 9 de março de 2015

"De dia não como..."






(Casa na Aldeia)


Esta menina tem umas tranças compridas



Reparem na palavras, é parecida com a nossa, mas... cuidado. É tranças.





O plural de "cão" é "cães"!



Parece que muitos alunos , mesmo muitos, não se lembram da dica que eu lhes dei para fazer o plural das palavras terminadas em -ão.

É por isso que escrevem frases como "Adoro cãos" en vez da correta "Adoro cães". Limitam-se a acrescentar um s ao singular, e pronto. É preciso pensar um bocadinho, bocadinho...

Temos de rever isto, meninos e meninas. Por enquanto, agradecemos esta imagem da Professora Leonor Neves.





sexta-feira, 6 de março de 2015

quinta-feira, 5 de março de 2015

Uma bela surpresa no bosque



Mas o que é que aconteceu aqui? De onde é que saiu esse livro gigante? Será possivel entrar nele como Alice entrou no espelho? Que aventuras esperam por ela lá dentro?

Vamos, a leitura espera por todos nós para nos levar a muitos mundos diferentes...